nova
crescente
cheia
minguante
posição fetal
por 3 semanas
arrastada
levanta da cama
caminha a esmo
pela cidade
perambula
5 voltas na praça
debaixo da chuva
vai pro ponto
desiste do ônibus
atravessa
sinal fechado
paralisa
sinal verde
não vê
não ouve
não toca
não crê
chuveiro no banho
arruma quarto
tira lixo
empilha livro
citam teu nome
ferida abre
sangue mancha
respinga
ligação no mcdonalds
não voltarás pra minha cama
engole
batata em seco
barganha
áudio
nude
mensagem
resposta: silêncio

ferida que abre e fecha
arrancar casquinha
não fecha a ferida
choro que grita
dor que caleja
dor exorciza
não dorme à noite
só chora à noite
só come de dia
come e chora
chora e come
barganha de novo
digita mensagem
não manda
memória maldita
da pele
sussurro
íris
timbre
sabor
textura
saudades
comeu?
dormiu?
trabalhou?
superou?
passa bem?
partiu pra outra?
saudades
silêncio

--

--

Mesmo este corpo urina desejo
Mesmo este corpo defeca verdades
Cospe lágrimas
Escorre riso
Mesmo este corpo
Com sua gordura localizada
Com seus membros ocultados
Mesmo esta vida sussurrada
Mesmo este gozo reprimido
Mesmo este sol nascente entre pernas fechadas
Mesmo esta boca desperdiçada
Mesmo esta fala fálica
Mesmo este discurso pélvico
Mesmo estas palavras eriçadas
Mesmo este odor cinza
Mesmo esta…

--

--

eu não sabia na época
que era só disso que a gente precisava:
limites
almoço janta cama banho aula trabalho
era tudo junto misturado colado traz durex cola post it passa cuspe
por garantia
não tivemos espaço para sentir a falta
para ser quem somos
você que me chamava para todos os lugares
e eu ia
como boa mascote
porque gostava de sua companhia

--

--

não vamos tocar
na ferida
agora

fica no raso
senta na margem
deita na areia
deixa o sol secar

ombros deslocados
perna com câimbra
pulmão cheio d’água
estômago embrulhado
pé furado
boca partida
olhos salgados

recupera o fôlego

acabamos de sobreviver ao maremoto

não vai pro fundo agora

--

--

a gente fez uma aposta
a gente apostou no nosso amor
a gente apostou um no outro
se jogou
se atirou
no abismo
teve encontro
teve química
teve desencontro
passamos por todas as fases
do diálogo ao silêncio
do nascimento à morte
foi doloroso
dor do inferno
foi bonito
o que vivemos
o que atravessamos
eu sempre me sentia num filme
fotografei mentalmente
cada instante
cada fala
cada ato
(cada gesto, nuance, sintaxe
e agora estou impregnada de memórias de você)

porque eu sabia
que teria um fim
até a vida tem fim

--

--

eu não acesso mais você
agora miro em árvores
te vejo entre galhos
te cheiro pelo corredor
te ouço de fora da sala

eu quis o fim
desde o começo
sem contar
ter me apegado tanto
ter me acostumado demais
ao tabaco
ao molejo
ao teu ritmo incessante
à gramatura vocal
à você
já foi
i have to go now
coloca um axé barato
porque nunca pudemos comprar coisas caras demais

nosso amor foi tão estranho
quanto a sensação
de cair durante o sono

--

--

Gabi Blenda

Gabi Blenda

Gostou de um texto? Incentive o meu trabalho com um pix: 858.531.065–03